Porque eu escolhi viajar…

diarios-de-motocicleta-motorcycle-diaries.jpg

Os filmes que mais me tocaram, desde muito cedo, eram “road movies“. O primeiro que me lembro de ter assistido foi Thelma e Louise, depois me lembro de dois nacionais muito bons, Central do Brasil e Cinema, Aspirinas e Urubus. Into the Wild é um clássico, tem uma trilha sonora maravilhosa, por mais que não seja nenhuma obra prima da sétima arte. Talvez não tenham sido os melhores filmes que vi na vida, não é esse o ponto, mas com certeza foram os que mais me tocaram e deixaram aquela vontade de “queria viver essa história”.

E dentre todos, o que mais me marcou foi Diários de Motocicleta. Foi acompanhando as aventuras do jovem Che, até então Ernesto, que pela primeira vez me dei conta do quanto o nosso continente era diverso, rico e lindo. E foi vendo esse filme que decidi que queria viver essa história… veja bem, esse é um filme de 2005, eu devo ter assistido pela primeira vez em 2007 (ou antes, não lembro ao certo), então são pelo menos 11 anos que alimento essa ideia no meu inconsciente. Então, não…. não foi de uma hora pra outra, não foi de repente que decidi “largar tudo” e viajar.

Sobre largar tudo…

Nos últimos dias ouvi mais de uma vez expressões enaltecendo a coragem de “largar tudo” e colocar o pé no mundo. Gosto dessa expressão “largar tudo”, por que pensando bem, o que é tudo né? Eu não larguei nada de lado, as coisas que de fato importam pra mim vão seguir comigo: minha família, meus amigos… eles estarão sempre ao meu lado, no meu coração e nas minhas lembranças, e isso que é inegociável na minha vida, e disso eu não abro mão. Quando me falam que estou “largando tudo”, percebo que a visão do que é “tudo” varia de pessoa para pessoa, e que talvez, para eles eu esteja de fato “largando tudo”, mas pra mim eu estou indo atrás de tudo

Indo atrás de tudo…

Depois de alguns anos com essa ideia na cabeça, pelo menos 30 roteiros desenhados e arquivados, decidi que era a hora de finalmente colocar o plano em prática. Mas porque agora?

Bem… eu sou dessas pessoas que acredita que o destino encontra formas de ajudar você a traçar o caminho. E quando fiquei na dúvida, o destino me trouxe resposta e me fez crer que essa era o hora certa.

Em dezembro de 2017 decidi que queria fazer a viagem esse ano, desde então tudo que eu precisava para tornar isso possível tem acontecido. Desde encontrar coragem e motivação até conseguir economizar o suficiente para tirar essa ideia da planilha de Excel.

Então essa é a hora…

Começo a viagem no dia 19 de junho, e nos próximos posts vou falar mais sobre a viagem, roteiros, planos e preparação.

Vamos!

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”

Fernando Teixeira de Andrade

2 comments

Add Yours

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.